Início Textos O Que é a Psicologia Analítica?

O Que é a Psicologia Analítica?

1473
2

o que e a psicologia analitica

Psicologia Analítica é como Carl Gustav Jung chamou seu método de compreensão da Psique, distinguindo-se da Psicanálise de Sigmund Freud.

Desta forma, podemos dizer que a psicologia analítica aborda, de forma prática, a psicoterapia sob o viés da teoria de C.G. Jung.

Seu diferencial é dado pelo foco no papel das experiências simbólicas na vida humana, adotando uma abordagem prospectiva para as questões apresentadas na terapia.

Isso significa que, embora a história da vida de uma pessoa seja de grande importância para a compreensão das circunstâncias atuais, as circunstâncias atuais podem conter bases de toda a humanidade, além de, também, serem as sementes para o crescimento e desenvolvimento.

Inicialmente ele a tratava como psicologia profunda, e hoje, as vertentes que tratam do inconsciente assim podem ser referenciadas.

Colaboração com Freud

Jung colaborou com Sigmund Freud, o criador da psicanálise, no desenvolvimento e popularização da psicanálise em seus primórdios.

Por um período de tempo, seus trabalhos foram complementares.

No entanto, depois de alguns anos, as diferenças fundamentais entre suas crenças (e suas próprias personalidades) se manifestaram e, em 1913, cada um seguiu seu próprio caminho.

A Psique como um Todo

psiqueJung explorou toda a psique, consciente e inconsciente. Para ele, nada poderia ser deixado de fora do inconsciente coletivo, que abrangia toda história humana, bem como todas as suas produções, religiosas, artísticas; intelectuais, mitológicas.

Assim, o inconsciente coletivo é um espelho, um reflexo do universo, atribuindo à psique humana um paralelo à criação.

Vamos dar uma olhada agora nas principais características da Psicologia Analítica:

A Psique para Jung

psique alma

Em grego “psique” significa alma.

Depois, mais tarde em sua carreira, Jung considerou a alma humana (psique) como parte integrante da alma do mundo, a que ele chamou Anima Mundi.

A Psicologia Analítica permite que possamos olhar para o quadro geral e para qualquer área que desejamos examinar, através de qualquer lente que queiramos utilizar, seja a religiosa, a artística, a intelectual, a filosófica, entre tantas outras.

E para a regozijo dos que acreditam numa unicidade, faz isso sem perder de vista o Todo. Assim, a psicologia analítica faz conexões e unifica.

De forma simbólica, Eros, o deus do amor, é o seu princípio orientador e a história de Psique e Eros é o seu mito fundamental, a sua pedra angular, pois a psicologia analítica traz amor à psique.

O Objetivo da Análise Junguiana

Individuação!!!

Esse é o objetivo da análise junguiana…

A priori, individuação refere-se à conquista de um maior grau de consciência em relação à totalidade das experiências psicológicas, interpessoais e culturais da pessoa.

Jung identificou dois níveis profundos de funcionamento psicológico que tendem a moldar, colorir, e às vezes, comprometer a experiência de vida da pessoa:

Jung reconheceu, junto a Freud, a importância das experiências primeiras, acontecidas na primeira infância e os complexos pessoais que surgem a partir de distúrbios na vida da pessoa.

Todos esses distúrbios são encontrados no ele chamou de inconsciente pessoal.

O grande insight de Jung, no entanto, foi no campo que abrange todas as experiências da humanidade.

Ele reconheceu que os indivíduos também são influenciados por fatores inconscientes que estão fora de sua experiência pessoal e que têm uma qualidade mais universal.

Esses fatores, aos quais C G Jung chamou de arquétipos, formam o inconsciente coletivo e dão forma às narrativas mais universais, mitos e fenômenos religiosos que moldam o contexto mais amplo da experiência humana.

A Intenção do processo Analítico na Psicologia Analítica

Todo trabalho que envolve autoconhecimento e solução de questões interiores, nós podemos considerar como processos, uma vez que não se findam em si, mas mantém-se sempre em estado de elaboração.

Assim, o processo analítico tem a intenção de trazer esses fatores, tanto pessoais quanto coletivos, à consciência, permitindo que o indivíduo veja com mais clareza quais forças estão em ação em sua vida.

A esse processo, durante a vida toda, podemos chamar de individuação, que tem o objetivo maior de fornecer ao indivíduo os recursos para viver sua vida de forma plena e com o sentido de autorrealização.

O Papel do Analista

Nesse sentido, o papel do analista é fundamental e deve ser realizado com todo cuidado, pois visa ajudar a facilitar o processo de individuação.

Deve, junto ao indivíduo, construir um vaso, um ambiente todo preparado para que as transformações ocorram, para a compreensão das experiências de vida do indivíduo, para enfim alcançar a transcendência.

O Esboço… Considerações Importantes sobre a Psicologia Analítica

É preciso ficar claro que psicologia analítica é o termo que Jung deu à sua forma particular de psicoterapia.

Carl G Jung tinha uma forma de pensar espiralada, por isso, suas opiniões evoluíram ao longo de muitos anos. Assim é difícil dar um resumo sucinto delas.

Ademais, a prática dos analistas junguianos de hoje tem como base um século de pensamento e desenvolvimento no campo da psicoterapia e da análise.

Como esboço, este texto fornece um desenho primário para as raízes e tronco da psicologia analítica. Outros posts neste site elaboram outros elementos do trabalho de C G Jung ainda mais (siga os links no texto).

O Início do Trabalho

uroborusJung iniciou sua carreira médica trabalhando no hospital Burghölzli, em Zurique, onde trabalhou com pessoas perturbadas e psicóticas.

Ele usou o teste de associação de palavras para buscar compreender o que era, de fato, problemático para o indivíduo.

Como era o teste?

Bem, nele, a pessoa deveria ler uma lista de até 100 palavras e o tempo responder, o mais rápido possível, com uma palavra associada.

Tudo é anotado.

Por exemplo:

Se o analista diz: – “Água”, o paciente diz: – “Oceano”.

Quanto maior o tempo que a pessoa leva para responder, mais a palavra foi pensada como associada a um complexo particular e problemático.

O tempo, os batimentos cardíacos, o suor, a falha de memória, repetição da palavra, enfim, tudo trazia consigo um conjunto de sinais que poderiam indicar que ali havia um complexo.

Aliás, é importante aqui ressaltar alguns dos principais conceitos que Carl Jung postulou na sua psicologia analítica:

Complexos e Arquétipos

Os complexos não são patológicos em si, mas podem ser associados a experiências particularmente difíceis ou aspectos arquetípicos, como a masculinidade ou a agressão, que o indivíduo não conseguiu dominar ou lidar.

Junto a esse trabalho com os complexos, Jung descobriu que muitas experiências de indivíduos com os quais ele trabalhava, se moldavam dentro de certos padrões e que, além disso, a psique de cada um de nós é estruturada por esses padrões.

Ele chamou esses padrões de arquétipos.

Ele entendia que um ou mais arquétipos estavam no centro de cada complexo.

Por exemplo, pode-se dizer que alguém que ‘possui’ um “complexo de mãe” tem dificuldades particulares com a experiência inicial a partir da imagem da mãe.

E que, portanto, pode não ser capaz trazer à vivência da vida prática humana, as forças poderosas relacionadas ao arquétipo da mãe.

A Psique Intencional e Autorreguladora

psicologia compensacao

Uma questão muito importante para Jung é que a psique, o “inconsciente” podiam ser confiados totalmente e que todo o tempo tentavam ajudar o indivíduo.

Desse modo, ele via a psique como autorreguladora e compensatória.

Nesse quesito, Jung divergiu da visão de Freud, que, de certa forma, patologizou a psique, sempre procurando problemas ou dificuldades, analisando e reduzindo as dificuldades do indivíduo diante de experiências traumáticas na infância ou em conflitos sexuais.

Mas para Jung era diferente, ele achava que até mesmo sintomas problemáticos, como ansiedade ou depressão, poderiam ser potencialmente úteis para chamar a atenção do indivíduo para um desequilíbrio na psique.

Um exemplo disso é que se alguém fica deprimido, talvez o modo como vive a sua vida significa que a pessoa não está seguindo um caminho que é natural e verdadeiro para sua personalidade particular.

Ele entendeu isso como sendo devido à natureza intencional, teleológica, compensatória e autorreguladora da psique.

O Ego e o Self, ou o si-mesmo

A maneira de pensar de Jung também abarcava o modo como nos vemos (nosso ego). Pra ele, o “homem moderno” é limitado e foi, de certa forma, cortado de sua verdadeira natureza instintiva.

Carl Gustav Jung, diferente de outros, trata o ego como sendo ‘somente’ mais um complexo, dentre tantos outros, que forma nossa personalidade.

Sendo o ego o centro da consciência, sua principal função seria, então, o discernimento.

A partir daí, ele considera que devemos nos ouvir e descobrir quem realmente somos e o que realmente sentimos.

Passou, então, a acreditar que precisamos ser guiados pelo que ele chamou de si-mesmo ou Self, que é um senso inconsciente da personalidade como um todo, o núcleo da personalidade total, uma imagem arquetípica do pleno potencial do indivíduo.

Individuação

A partir dessas considerações, Jung pensava que o si-mesmo age como um princípio orientador dentro da personalidade e que, seguindo sua liderança, produz o desenvolvimento da personalidade.

Ele descreveu esse processo natural de desenvolvimento como individuação. Este processo tem uma direção natural.

É o natural movimento em direção à manifestação de todos os elementos naturais da personalidade, realizando-a, para enfim, transcendê-la.

“Só aquilo que somos realmente tem o poder de nos curar.”
(O Eu e o Inconsciente, Obras Completas vol. VII/2, Editora Vozes.)

A Sombra

sombra

Para Carl Gustav Jung, sombra são aqueles elementos do eu que não foram integrados à personalidade consciente.

Esses elementos, por vezes, estão na sombra porque suas qualidades e funções são negadas. Talvez sejam negadas porque a pessoa sente que elas são inaceitáveis. Não só o que negamos está na sombra, mas também aquilo que desconhecemos.

Esses elementos podem ser partes “negativas”, aparentemente destrutivas da personalidade, como agressão ou inveja, mas também podem ser qualidades desconhecidas ou não usadas.

Apesar de considerarmos alguns aspectos como negativos, Jung diz que todos os aspectos da personalidade, seja de luz ou escuridão, são necessários para a personalidade para que ela se torne capaz e estruturante.

Os Tipos e Funções Psicológicas

Muitas vezes, um aspecto sombrio é somente subdesenvolvido.

Jung pensava que cada um de nós desenvolvia certas funções da personalidade como primárias, que ele via como funções dominantes ou superiores, enquanto outras eram menos desenvolvidas, as quais ele chamava de funções auxiliares, e aquelas que eram muito pouco desenvolvidas ele chamava de funções inferiores.

Para ele há quatro funções diferentes, pensamento, sentimento, sensação e intuição, que ele via como os diferentes modos de envolvimento do indivíduo com o mundo.

Jung compreendeu que, no processo de individuação, uma pessoa precisa desenvolver suas funções inferiores, para deixar de projetar essas funções em outras pessoas.

Como Jung escreve:

“Tudo que nos irrita nos outros pode nos levar a uma compreensão de nós mesmos.”

Além disso, C G Jung também identificou duas atitudes diferentes em relação ao mundo.

Ele percebeu que há aqueles indivíduos que reagem mais abertamente ao mundo, estando mais animados e engajados. Ele os chamou de extrovertidos.

E há aqueles que não mostram suas reações externamente, mas as mantém dentro de si, desenvolvendo maior interesse em seu mundo interior, ele os chamou introvertidos.

Importante dizer que Carl Jung desenvolveu sua teoria dos tipos em parte para entender melhor as diferenças entre ele e Freud, embora achasse muito útil compreender as pessoas e, em particular, a maneira como elas se relacionam com os outros.

Os Sonhos

Os sonhos são um caso à parte no processo de análise de Jung. Ele passou a valorizar esse processo com os sonhos, pois facilitava a percepção do que se mantém acontecendo na psique.

Segundo ele, os sonhos “nos mostram a verdade natural e sem verniz”.

Ele acreditava que os sonhos não disfarçam seu conteúdo, ao contrário do que pensava Freud, que achava que os sonhos expressavam desejos proibidos ocultos.

Jung pensava que os sonhos se expressam através de símbolos e que era a dificuldade em reconhecer esses símbolos que poderiam dificultar a compreensão do sonho.

Espiritualidade e Religião

Algo muito importante nos estudos de Jung é que ele descobriu que a experiência de ouvir e ser guiado pelo si-mesmo, corresponde ao que foi experienciado, ao longo dos milênios, como experiência espiritual.

Ele se baseia, para essa compreensão em que o indivíduo precisa passar, além de sua experiência cotidiana imediata, relacionada ao ego, e entrar em relação com o Self ou si-mesmo, que às vezes é experimentado de uma maneira “numinosa” e inspiradora.

Essa é uma experiência transformadora para o indivíduo e que move seu centro de gravidade para longe do egocentrismo mesquinho e pessoal em direção a uma visão mais ampla de si mesmo, mais em contato com e relacionado a outras pessoas.

O Relacionamento Analítico

Nesse sentido, para ele a função relacional é fundamental, onde além de espelho, há a possibilidade de alcançar o estágio mais puro do ser, o altruísmo.

Ele estava muito consciente do papel da personalidade do analista em uma análise.

Sabia o quão profundamente o analista poderia ser afetado pelo analisando e entendeu que o analista deve lutar em primeira mão com esses efeitos e que essa luta era uma parte essencial do trabalho da análise.

Sobre isso Carl Gustav Jung escreve:

“O encontro de duas personalidades assemelha-se ao contato de duas substâncias químicas: se alguma reação ocorre, ambos sofrem uma transformação”.

Jung foi a primeira pessoa a pontuar que o analista deveria ter uma análise como parte de seu treinamento. O analista só podia ajudar o analisando na medida em que se comprometia com seu próprio desenvolvimento.

Conclusão

A psicologia analítica de Carl Gustav Jung traz a todos nós uma grande oportunidade de, realmente encontrar o que mais desejamos, a felicidade, uma vez que permite que trabalhemos nossas sombras, integrando-as e nos encaminhemos à autorrealização, à individuação.

Cabe ao indivíduo que olha de fora, perceber, reconhecer o manancial infindável de conhecimento compilado por Jung em sua Psicologia Analítica.

O próprio Jung navegou pelas águas de suas descobertas, transformando-se no exemplo que deixa a todos nós.

Assim ele inicia um de seus mais conhecidos livros:

“Minha vida é a história de um inconsciente que se realizou.”
(Carl Gustav Jung. Memórias Sonhos e Reflexões, p. 19)

E assim eu finalizo este breve esboço, deixando em aberto toda a abundância de conhecimentos para serem desvelados pelos que realmente desejam mergulhar em si-mesmos.

E você, já começou a trilhar o seu processo de individuação?

Conte a sua história nos comentários!

2 COMENTÁRIOS

  1. Sou candomblecista e formado em.psicologia. Tenho clareza que após minha iniciação no candomblé, tive um momento numinoso e passei a trilhar o processo da individuação.
    Vejo claramente a psicologia analítica dentro da religião.
    O

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here